Gynaecology,Health Blog,postpartum depression,psychiatry,women health,Women's Health

Depressão pós-parto – Blog Credihealth


Você deve estar ansioso para a segunda série de Senhoras e Bebês. Então, aqui estamos com um novo tópico: ‘Depressão pós-parto’. Nosso objetivo é educar nossa população feminina sobre as questões e problemas que frequentemente enfrentamos. Lembre-se sempre, somos nós que comandamos o mundo.
Vamos começar com o tópico de hoje.

O que é depressão pós-parto?

O nascimento de um bebê é acompanhado por muitas emoções poderosas, como excitação, alegria ou ansiedade. Mas às vezes resulta em algo inesperado, como depressão.

A pesquisa indicou que cerca de 80% das novas mamães sofrem de depressão pós-parto após o parto, como alterações de humor, crises de choro, ansiedade e dificuldade para dormir. Muitas mulheres enfrentam esses tipos de problemas. A depressão pós-parto geralmente começa 2-3 dias após o parto e pode durar até 2 semanas.

Mas, em alguns casos, as mulheres podem experimentar uma depressão prolongada, conhecida como depressão pós-parto. A psicose pós-parto, que é um transtorno de humor raro e extremo, também está incluída nisso.

A depressão pós-parto não significa que você esteja sofrendo de algum tipo de fraqueza. Às vezes, as complicações do parto também podem levar a essa condição. O tratamento imediato pode ajudá-lo a controlar os sintomas. Portanto, não se preocupe.

Quais são os sintomas da depressão pós-parto

Os sinais e sintomas da depressão pós-parto são mais intensos e duradouros. Esses sintomas também podem interferir em suas atividades normais e na capacidade de cuidar de seu bebê. Os sintomas geralmente começam nas primeiras semanas após o parto ou podem começar durante a gravidez.

Alguns sinais e sintomas de depressão pós-parto são:

  • Inquietação
  • Ataques graves de ansiedade e pânico
  • Desespero
  • Fadiga opressora ou perda de energia
  • Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.
  • Capacidade diminuída de pensar com clareza, concentrar-se ou tomar decisões.
  • irritabilidade e raiva intensas
  • Incapacidade de dormir
  • Afaste-se da família e amigos
  • Choro excessivo
  • Humor deprimido e mudanças de humor

Além da depressão pós-parto, as mulheres também podem sofrer de depressão pós-parto. Alguns dos sintomas incluem alterações de humor, ansiedade, extrema tristeza, choro, etc.

Junto com os sintomas de depressão pós-parto e depressão pós-parto, existem sintomas graves de psicose pós-parto. Inclui distúrbios do sono, paranóia, energia excessiva e agitação, pensamentos obsessivos, confusão e desorientação e muito mais. Estes são sintomas de risco de vida que requerem atenção médica imediata.

Quais são os tratamentos para PPD?

O PPD geralmente desaparece sozinho dentro de 3 a 4 meses após o parto. Mas se os sintomas estão interferindo no seu dia a dia

Aconselhamento / psicoterapia: Aconselhamento ou psicoterapia podem tratar esta condição. Este tratamento envolve conversar cara a cara com um conselheiro, terapeuta ou psicólogo. Existem dois tipos de aconselhamento que podem ajudar no tratamento da depressão pós-parto:

  • Terapia cognitivo-comportamental (TCC): Esta terapia pode ajudar as pessoas a reconhecer e mudar seus pensamentos negativos.
  • Terapia interpessoal (IPT): Ajuda o paciente a compreender e superar relacionamentos pessoais problemáticos.

Medicamento: A medicação é a segunda forma de tratar PPD. O médico prescreve antidepressivos que atuam na substância química do cérebro envolvida na regulação do humor. Em geral. Esses antidepressivos levam algumas semanas para melhorar a condição.

Esses medicamentos são considerados seguros durante a amamentação. Mesmo assim, as mulheres devem estar cientes dos benefícios e efeitos colaterais dessas drogas.

Ambos os métodos de tratamento podem ser usados ​​individualmente ou em conjunto para resultados eficazes.

E se o PPD não for tratado?

O PPD não tratado pode durar meses e anos. Pode afetar a saúde da mãe e da criança. Também pode haver efeitos colaterais com risco de vida. O PPD não tratado também pode interferir na sua capacidade de se conectar e cuidar de seu bebê.

Família e amigos são os primeiros a reconhecer os sintomas da depressão pós-parto. Eles podem encorajar a mãe a encontrar um especialista. Durante o PPD, o paciente precisa de apoio emocional da família. A família deve compreender o comportamento do paciente e fornecer o suporte necessário.

Espero que a segunda parte de Mulheres e bebês acrescente algo de valor à sua vida.

Para levar

No artigo anterior, discutimos a depressão pós-parto, suas causas, sintomas e métodos de tratamento. Os pacientes com DPP precisam conversar com as pessoas sobre seus sentimentos. Isso ajudará a evitar sintomas graves. O bebê traz muita felicidade para suas vidas. Não deixe que condições como o PPD estraguem esse sentimento. Tome medidas corretivas em um estágio inicial para eliminar complicações de longo prazo.

Leia nosso artigo anterior da série Senhoras e bebês aqui: Mulheres e bebês: Parte 1 – Síndrome do Ovário Policístico (SOP)

Visite um ginecologista experiente ou Psiquiatra hoje para quaisquer preocupações relacionadas à depressão pós-parto.

A semana que vem Meninas e bebês, vamos descrever o câncer infantil para você. Então fique ligado!

Passe adiante essas informações e caso precise de orientações mais personalizadas, entre em contato com o melhor e mais experiente ginecologista e psiquiatra agora mesmo.

Marque uma consulta



Este artigo foi escrito em Português do Brasil, baseado em uma matéria de outro idioma. Clique aqui para ver a matéria original. Se desejar a remoção desta publicação, entre em contato no email cc@reducaodepeso.com.br.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *