European Union,Finland,Happiness,Income Inequality,Nordic Countries,Politics and Government,Polls and Public Opinion,Research,United Nations,United States

A Finlândia é mais uma vez o país mais feliz do mundo, de acordo com um relatório


Na Finlândia, uma sociedade relativamente igualitária, as pessoas tendem a não ficar obcecadas em “manter o contato com os vizinhos”.

“As pessoas se dão muito bem em comparação social”, disse Antti Kauppinen, professor de filosofia da Universidade de Helsinque. “Isso começa com a educação; todos têm acesso a uma boa educação. As diferenças de renda e riqueza são relativamente pequenas. “

David Pfister, um arquiteto austríaco que mora em Oulunkyla, um subúrbio de Helsinque, disse que descreveria os finlandeses como felizes, mas é difícil dizer se eles são felizes. “O bebê aumentou nossa felicidade”, disse sua esposa, Veera Yliniemi, uma professora. Outro homem no mesmo subúrbio, Janne Berliini, 49, disse estar muito feliz. “Eu tenho um trabalho”, disse ele. “As coisas básicas estão em ordem.”

As pessoas na Finlândia também tendem a ter expectativas realistas sobre suas vidas. Mas quando algo na vida excede as expectativas, as pessoas costumam agir com humildade, preferindo uma piada autodepreciativa a se gabar, disse Sari Poyhonen, professora de lingüística da Universidade Jyvaskyla. Os finlandeses, disse ele, são profissionais em manter a felicidade em segredo.

O relatório deste ano recebeu pouca atenção da mídia finlandesa. “A Finlândia ainda é o país mais feliz do mundo”, começou um pequeno artigo que foi publicado na página 19 em Ilta-Sanomat, um jornal diário.

Todos os países que figuraram no top 10, incluindo os outros quatro países nórdicos, têm filosofias políticas diferentes dos Estados Unidos, o número 14 da lista, atrás da Irlanda e à frente do Canadá. Os níveis mais baixos de felicidade nos Estados Unidos podem ser causados ​​por conflitos sociais, dependência de drogas, falta de acesso a cuidados de saúde e desigualdade de renda, disse o Dr. Wang.

As coisas na Finlândia estão longe de ser perfeitas. Como em outras partes do continente, o nacionalismo de extrema direita está em ascensão e o desemprego é de 8,1%, superior à taxa média de desemprego de 7,5% na União Europeia.



Este artigo foi escrito em Português do Brasil, baseado em uma matéria de outro idioma. Clique aqui para ver a matéria original. Se desejar a remoção desta publicação, entre em contato no email cc@reducaodepeso.com.br.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *