Blog Redução de Peso

A dor econômica da pandemia é muito pior do que o esperado, de acordo com a pesquisa NPR: NPR


Muitos dos graves problemas financeiros estão concentrados entre famílias negras e latinas nas quatro maiores cidades dos Estados Unidos, de acordo com a pesquisa, que coletou respostas de 1º de julho a 3 de agosto.



STEVE INSKEEP, HOST:

Uma nova pesquisa mede a dor financeira à medida que a pandemia avança. Quase metade das famílias americanas sofreram graves perdas financeiras, somos informados, em uma nova pesquisa da NPR, a Fundação Robert Wood Johnson e a Escola de Saúde Pública Harvard TH Chan. Nas quatro maiores cidades do país, a situação é ainda pior, especialmente para latinos e afro-americanos; 50% a 80% dessas famílias relatam sérios problemas financeiros. Eles não podem pagar o aluguel, a hipoteca ou os cartões de crédito e gastaram suas economias. Yuki Noguchi da NPR relata as descobertas.

YUKI NOGUCHI, BYLINE: A pandemia está criando sérios problemas financeiros – perda de emprego, redução de poupança ou possível despejo. Isso apesar de centenas de bilhões em estímulos governamentais e outros apoios. A pesquisa mostra que o estresse econômico está aumentando nas quatro maiores cidades do país: Nova York, Los Angeles, Chicago e Houston. Famílias latinas e negras eram muito mais propensas a enfrentar sérios problemas financeiros em comparação com suas contrapartes brancas.

Robert Blendon é professor de política de saúde e análise política em Harvard e co-autor da pesquisa. Ele diz que os resultados mostram que os desafios financeiros pessoais são mais profundos e mais amplos do que se pensava anteriormente.

ROBERT BLENDON: Eu teria esperado que toda a ajuda que veio de várias fontes tivesse reduzido, não eliminado, as diferenças por raça e etnia.

NOGUCHI: A pesquisa realizada neste verão também descobriu mais problemas entre as famílias que ganham menos de US $ 100.000 por ano. Isso sugere uma falta de fundos que cria efeitos colaterais – problemas para pagar por alimentos ou cuidados médicos, que por sua vez tinham sérias consequências para a saúde.

As implicações da pesquisa podem significar tudo, desde um maior entrave na economia às perspectivas de saúde mental do país. E Blendon diz que as perspectivas são sombrias. Na época da pesquisa, o governo federal estava oferecendo US $ 600 por semana em benefícios adicionais para os desempregados. Isso não foi renovado depois de julho.

BLENDON: Vai piorar porque não há nada para as pessoas que pesquisamos e que ganham menos de US $ 100.000 por ano. Comunidades minoritárias não estão trabalhando em tempo integral para apoiar umas às outras.

NOGUCHI: Cynthia Maclin tem 66 anos e mora sozinha no centro de Chicago. Sua carreira de 45 anos na administração médica terminou oito anos atrás, quando ele contraiu uma doença pulmonar crônica. Sua deficiência levou à depressão grave, nenhuma das quais foi tratada durante a pandemia.

CYNTHIA MACLIN: Eu não vi meu médico pulmonar para ouvir meus pulmões, para verificar meus níveis de oxigênio. Meu psiquiatra, não o vejo há cerca de quatro meses. Meu GP, eu não a vi. Então, todas essas coisas têm um impacto.

NOGUCHI: A bateria morreu recentemente no caminhão de Maclin, do qual ela depende para comprar comida e remédios. O cheque de estímulo federal de US $ 1.200 que ele recebeu ajudou a pagá-lo, diz ele, mas o dinheiro acabou. Estressores financeiros, diz ele, tornam difícil para ele respirar e controlar sua depressão.

MACLIN: Este será o primeiro mês que não poderei pagar o aluguel. Ontem enviei um e-mail ao meu senhorio perguntando o que fazer.

NOGUCHI: Maclin diz que perdeu oito amigos e parentes para a COVID-19, incluindo seu ex-marido, pai de suas duas filhas.

MACLIN: Na segunda semana de março, de repente, ele adoeceu. Então ele faleceu. Ele não tinha onde ficar, então eu o deixei ficar aqui comigo.

NOGUCHI: Acima de tudo, diz Maclin, enfrentar a situação sozinho é solitário.

MACLIN: Tento muito não chorar. Acho que falar com você abriu as coisas para mim e é isso que me faz chorar agora. E eu tento muito. Tenho nove netos e sete bisnetos. Eu adoraria vê-los, mas não posso.

NOGUCHI: Na pesquisa do NPR, 1 em cada 5 pessoas disse que seus familiares não podiam receber cuidados devido a problemas médicos graves. Para aqueles em Houston, a pesquisa descobriu que 75% sofreram consequências negativas para a saúde. Em outras palavras, existe um efeito de ampliação. Ronnette Ramos é advogada-gerente da Los Angeles Legal Aid Foundation, que ajuda famílias de baixa renda em uma variedade de questões, desde emprego e moradia até benefícios médicos. Ela diz que viu um aumento nas ligações.

RONNETTE RAMOS: Existem pelo menos três problemas por telefonema, sejam insegurança habitacional em que não podem pagar o aluguel por perda de emprego ou estejam lidando com insegurança alimentar. Isso estava causando ansiedade ou pressão alta.

NOGUCHI: Ramos diz que alguns proprietários assediam seus inquilinos, tentando encontrar maneiras de contornar a moratória estadual e federal sobre despejos. Isso agrava o que já era uma grande crise imobiliária em Los Angeles.

RAMOS: Os inquilinos pagam mais de 50% do que ganham com o aluguel. Portanto, isso não deixa muito espaço para a turbulência da vida. E, você sabe, nós quase tivemos seis meses de convulsão na vida.

NOGUCHI: Gregory Cooper mudou-se de Houston depois de mais de um ano sem trabalho. Ele passou mais de 30 anos em contabilidade e operações na indústria de petróleo e gás.

GREGORY COOPER: Quer dizer, tenho um MBA e duas certificações. Mas eu continuo lutando.

NOGUCHI: O desemprego forçou Cooper, de 60 anos, a se mudar com sua mãe idosa para Alexandria, Louisiana. Ele acabou conseguindo um emprego de contador no governo ganhando cerca de US $ 40.000 por ano, metade do que costumava ganhar. Ele diz que seria terrível ficar sem trabalho.

COOPER: Você conseguirá um emprego devido à idade? Você conseguiria um emprego por ser negro? Somos quase as últimas pessoas a se recuperar no que diz respeito ao desemprego.

NOGUCHI: Cooper diz que está preocupado com a crescente inquietação sobre as desigualdades raciais na educação e no emprego, mas também está familiarizado com isso.

COOPER: Ver nossos pais fazendo isso e nos mostrar como sobreviver para manter a cabeça erguida e superar a luta é bom às vezes, em vez de nascer com uma colher de prata na boca.

NOGUCHI: Mas para Álvaro Castro, as dificuldades econômicas são uma experiência nova. O pai de dois filhos nasceu na Colômbia e mora em um subúrbio de Miami. Ele estava ganhando mais de US $ 100.000 por ano até perder o emprego como produtor de televisão em setembro passado. Desde então, ele encontrou trabalho ganhando menos como empreiteiro.

ALVARO CASTRO: Eu estava atrasado no pagamento da hipoteca. Eu estava atrasado com meus carros, meu seguro.

NOGUCHI: Ele colocou dois carros no armazenamento para reduzir o pagamento do seguro.

CASTRO: Tudo isso, o tipo de coisas que tivemos que descobrir como reduzir.

NOGUCHI: Mas havia algumas coisas que eles não podiam adiar, como a operação de catarata de sua esposa em abril.

CASTRO: E eu lembrei, ela realmente me ligou do hospital e da clínica, e ela ligou e disse, eu não tenho o suficiente para pagar o copagamento.

NOGUCHI: Eles movimentaram fundos para atender ao copagamento de US $ 250. A pandemia, diz ele, deu a ele uma perspectiva diferente.

CASTRO: O dinheiro não é o fator mais importante em nossa vida. Talvez o fator mais importante em nossa vida seja a maneira como você se relaciona com os outros, a maneira como passa o tempo com seus entes queridos ou a maneira como já aprecia o que eles sentem por você.

NOGUCHI: Esse, ele diz, é o único lado positivo.

Yuki Noguchi, NPR News.

(SOM SINCRONO DO MAR DOS ANOS “EM COLUSÃO COM AS ONDAS”)

Copyright © 2020 NPR. Todos os direitos reservados. Visite o nosso site termos de uso e permitem páginas em www.npr.org para maior informação.

As transcrições NPR são criadas em um prazo urgente antes Verb8tm, Inc., um contratante da NPR e produzido usando um processo de transcrição proprietário desenvolvido com a NPR. Este texto pode não estar em sua forma final e pode ser atualizado ou revisado no futuro. A precisão e a disponibilidade podem variar. O registro autorizado da programação NPR é o registro de áudio.



Este artigo foi escrito em Português do Brasil, baseado em uma matéria de outro idioma. Clique aqui para ver a matéria original. Se desejar a remoção desta publicação, entre em contato no email cc@reducaodepeso.com.br.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *